POLITICA

PCA do grupo “ Boa Vida” nega ter sido o causador da falência do Banco de Kundi Paihama

Publicado em: 29/06/2020 04:02:39
166 23
imagem de noticia

Atravês de um comunicado enviado ao Correio da Kianda, o empresário angolano de origem polaca e Primeiro secretário do Comité de Acção do Partido ( CAP) do MPLA, na urbanização Nova Vida, Tomasz Dowbor, nega , ter sido o causador da falência do Banco Angolano de Negócios e Comércio (BANC), que teve como principal acionista, o histórico General, Kundi Paihama.

Tomasz Dowbor, na nota de esclarecimento, também endereçada a Direcão Central do MPLA, a quem decidiu escrever depois de terem surgido publicações em plataformas digitais, fazendo referência a um relatório do BNA (sobre a falência do BANC) que o apresenta como a entidade que terá beneficiado de empréstimos na ordem de 2 mil milhões de kwanzas, investidos no ramo da construção do seu grupo Boa Vida, na nota de esclarecimento, o empresário rejeita todas as acusacões, considerando-as como falsas, e caluniosas.

Com duas décadas no mercado nacional, o empresário destaca na nota de esclarecimento, que em momento algum negou ter recebido do Banc, qualquer crédito, e refere, ter sido sempre claro e transaparente.

Acrescenta a nota, que no começo da implementação dos projectos de construção de habitações, os irmãos Tomasz e Wojciech Dowbor procederam um investimento de mais 100.000.000,00 USD (Cem milhões de dólares americanos) dos capitais próprios para estruturação, implementação e construção da Urbanização Boa Vida - UBV;

“ Em 2014 recebemos do Banco Angolano de Negócios e Comércio – BANC, o financiamento de que se fez referência e que hoje não ultrapassa os 2.000.000.000,00 (Dois mil milhões de kwanzas) que foi destinado a aceleração e suporte das despesas adicionais para operacionalização da construção de habitações, em função de um elevado número de solicitações por parte dos clientes do BANC para aquisição de casas na Urbanização Boa Vida, por via de crédito bancário; Refere!

“ Ao longo dos anos de 2014 à 2018, as empresas do Grupo Poltec e BoaVida pagaram ao BANC valores destinados a amortização de capitais, juros e taxas, sendo um dos mais disciplinados e credíveis clientes do BANC, garantindo o pagamento mensal das suas prestações. Não obstante a isso o BANC tem em sua posse garantias reais sobre formato dos imóveis com respectivos registos prediais, hipotecados à favor do BANC de acordo as exigências contratuais para cedência do referido crédito; Esclarece!

“ A Urbanização Boa Vida, procedeu com assinatura dos contratos suportados pelas garantias reais, sob formato dos imóveis com respectivos registos prediais, hipotecados à favor do BANC de acordo as exigências contratuais para cedência do referido crédito, cujas garantias cedidas cobrem o dobro do valor cedido, que se traduz em mais de 200%;

Após a análise do relatório do BNA sobre a falência do BANC, que foi decretada em 2019, com 41.720.020. 000,00 (Quarenta e um bilhões, setecentos e vinte milhões e vinte mil kwanzas) de dívida, sendo que 2.000.000.000,00 (Dois mil milhões de kwanzas) foi o crédito cedido, as empresas do Grupo Poltec e BoaVida o que representa 4% do valor falido do BANC.

“ Na sequência do contexto macroeconómico a Urbanização Boa Vida, solicitou várias vezes em 2018, bem antes da falência do BANC, uma reavaliação do formato e reestruturação do crédito em função da deterioração do ambiente económico que provocou um colapso financeiro nos mais variados sectores e que veio a agravar o ambiente empresarial;

O GRUPO BOAVIDA, mantém a sua capacidade de gestão, eficácia, comprometimento, responsabilidade em todos os projectos, activos, financiamentos confiados e continuará disponível a qualquer esclarecimento sobre o assunto, assim como mostra-se disponível a colaborar com os órgãos de justiça. Finaliza.

TAGS

Por: Redacão

Partilha esta notícia:
imagem de noticia

PUBLICIDADES

1 Comentarios
Seja o primeiro a comentar sobre esta notícia...